PATROCINADORES

Argentina pode revisar metas fiscais para gastos sociais, diz FMI

Por Luc Cohen e Jorge Otaola

BUENOS AIRES (Reuters) – A Argentina pode revisar as metas fiscais determinadas no acordo de ajuda de 50 bilhões de dólares fechado com o Fundo Monetário Internacional para aumentar os gastos em programas sociais, afirmou nesta sexta-feira um diretor do FMI.

A Argentina pediu ajuda ao FMI em 8 de maio depois de o peso sofrer fortes perdas em meio a um êxodo de investidores dos mercados emergentes. O acordo marca um ponto de virada para o país, onde muitos culpam as medidas de austeridade do FMI por levar milhões à pobreza na crise econômica de 2001/2002.

Políticos de oposição alinhados à ex-presidente Cristina Kirchner disseram que o presidente Mauricio Macri está repetindo os erros do passado. Mas o FMI e o governo afirmaram que os gastos em programas para ajudar os pobres serão protegidos pelos termos do acordo, e podem aumentar.

“As metas fiscais podem ser revisadas no caso de haver necessidade de aumentar os gastos sociais”, disse o diretor do FMI para o Hemisfério Ocidental, Alejandro Werner. “Dessa maneira, a sociedade não precisa escolher entre construir uma ponte ou proteger os mais pobres.”

Como parte do acordo anunciado na noite de quinta-feira, o governo concordou em acelerar a redução do déficit fiscal primário para equilibrar o orçamento até 2020. O governo também prometeu propor uma legislação para que um banco central mais independente combata a inflação de dois dígitos.

tagreuters.com2018binary_LYNXNPEE571L9-VIEWIMAGE

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 4 =

Pergunte para a

Mônica.