PATROCINADORES

Mídia e entretenimento atingirão US$ 26 bilhões em anúncio nos EUA

Relatório mostra que setores mantêm trajetória positiva, refletindo a saúde do mercado de anúncios digitais

Relatório do eMarketer indica que os gastos com anúncios digitais das indústrias de mídia e entretenimento crescerão significativamente até 2023. Serão US$ 11,6 bilhões e US$ 14,89, respectivamente. Somados, atingirão US$ 26 bilhões.

Apesar dos efeitos da pandemia, os setores aumentaram seus gastos com anúncios em 2021. Segundo a projeção, o ramo de entretenimento verá uma recuperação mais considerável por causa de sua “dependência em formatos de anúncios de alto preço, como vídeos”.

O eMarketer diz que os efeitos devido à crise da covid-19 não foram “tão graves” como o site havia previsto em março de 2020. Para o site, a mídia e o entretenimento já superaram os efeitos negativos da pandemia.

“A volta gradual da produção de TV e do entretenimento ao vivo deu às empresas desses setores o impulso para retomar os gastos com anúncios digitais em níveis que ultrapassam o que esperávamos antes mesmo da pandemia”.

O site define “mídia” como empresas voltadas à transmissão de rádio e televisão (redes ou emissoras), incluindo comerciais, religiosas e educacionais. Já “entretenimento” abrange meios de recreação, bilheteria, cinema, música, plataformas de vídeo e videogames.

Embora ambos os setores tenham aumentado os gastos com anúncios digitais em 2020 em meio ao pico da pandemia, as taxas de crescimento ainda não chegam a outras indústrias, como produtos de informática (30,5%) e saúde e farmácia (27,2%).

Produção de TV

Como muitos outros negócios, as redes de TV e as produtoras se esforçaram para “voltar ao normal” em 2020, mas acabaram retrocedendo depois que os EUA sofreram a 2ª e a 3ª ondas de covid, no final de 2020. Com a ampla disponibilidade de vacinas em 2021, as produções voltaram aos níveis pré-pandemia e, consequentemente, os gastos com anúncios nas redes de TV aumentaram.

Programação e notícias

As organizações de notícias enfrentaram pausas semelhantes às de outros negócios, mas não pausaram a produção por causa da demanda por informações sobre a covid, além das eleições presidenciais de 2020.

Nesse setor, os níveis de gastos com publicidade caíram em 2020, mas também não no nível que o eMarketer havia projetado. Segundo o site, as organizações de notícias devem contribuir “significativamente” para a recuperação dos gastos do setor de mídia.

Entretenimento

Os gastos com publicidade digital da indústria de entretenimento tiveram efeito “pandêmico” similar ao da mídia, mas com desaceleração no crescimento mais perceptível em 2020. O eMarketer espera que a recuperação, vista em 2021, se mantenha até 2023.

Alguns segmentos do setor, principalmente diversão e recreação, bilheteria, cinema e música, foram especialmente afetados. Parques temáticos, cinemas, casas de shows e produção de programas de TV e filmes foram paralisados em 2020 e só recentemente retomaram as atividades.

A indústria de atrações dos EUA registrou prejuízo de US$ 23 bilhões em 2020, segundo a Associação Internacional de Parques de Diversões e Atrações.

Gastos por dispositivo

Segundo o eMarketer, o celular será responsável por 76,5% da publicidade digital no setor de entretenimento. É a maior proporção entre todas as indústrias que o site acompanha. Os principais causadores dos gastos com anúncios de entretenimento são estúdios de filmes e jogos com franquias que atraem, sobretudo, as gerações Y e X.

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.