PATROCINADORES

Nº 82: salvação de uma vez só; mortes nas UTIs; antiviral espanhol

Lei para a dose única

A vacinação em massa sem tornou o objetivo global de 2021. Entretanto, os imunizantes necessitam de duas doses, o que encarece e prolongará a campanha. Por ser de dose única, o produto da Johnson & Johnson potencialmente seria capaz de resolver a questão. Até o final de junho, 100 milhões de doses devem ser entregues aos Estados Unidos. Reino Unido, União Europeia e Canadá também demonstram interesse pelo imunizante, criado pela Jansen-Cilag, a unidade farmacêutica da J&J, e que faz parte do rol do Consórcio Covax, da Organização Mundial da Saúde (OMS). O Brasil não possui acordos com a empresa, mas com a possibilidade de aprovação da lei que facilita a compra de vacinas, desde que aprovadas por organismos de renome, como a Administração de Alimentos e Drogas dos EUA (FDA, na sigla em inglês), o governo poderia buscar esta solução. A lei precisa ser aprovada pela Câmara dos Deputados.

2 a cada 3 intubados morre na UTI

Médicos fazem treinamento no hospital de campanha do Ibirapuera, em 2020

O agravamento da pandemia obriga equipes médicas de unidades de terapia intensiva (UTI) a intubar quase metade dos internados. Desses, 2 a cada 3 não resistem e morrem durante o tratamento, apontam os dados do projeto “UTIs Brasileiras”, da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib). O estudo analisou 98 mil internações desde 1º de março de 2020, apontando que dos 46,3% (45 mil) que precisaram de ventilação mecânica, 66,3% morreram (30 mil). Aqueles que não precisam de ventilação mecânica, tiveram mortalidade de 9% (4,7 mil). Uma segunda pesquisa conduzida por oito hospitais revelou que 25% dos pacientes intubados morreram por sequelas seis meses após deixarem o hospital.

Dados assustadores

  • Tempo médio de internação: 13,2 dias
  • Internados com menos de 65 anos: 45,7%
  • Pacientes sofrendo de comorbidades: 36%
  • Precisam de ventilação mecânica: 46,3%
  • Necessitam de suporte renal: 12,2%
  • Mortalidade total em UTIs: 35,2%
  • Mortalidade de pacientes intubados: 66,3%
  • Mortalidade sem ventilação mecânica: 9%.

Não há Plano São Paulo para UTIs

O governador paulista João Doria (PSDB) não tem uma alternativa para a falta de leitos

São Paulo está em contagem regressiva para o colapso da saúde, mesmo com uma robusta estrutura pública e privada. De acordo com o governador João Doria (PSDB), se as pessoas não se conscientizarem, em 20 dias os leitos de UTI podem estar completamente ocupados e não há um plano B. Na sexta-feira (26), a taxa de ocupação das UTI de covid-19 atingiu 70,4%no estado. Na Grande São Paulo, o índice ficou em 70,8%. Nas regiões de Presidente Prudente, Bauru e Araraquara, a taxa de ocupação é superior a 90%. No Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, a ocupação dos 200 leitos de UTI destacados aos pacientes da pandemia está em 80%, apontou o jornal El País na sexta-feira (26). A opção de requerer os leitos privados para o SUS deixa de ser viável. No Hospital Albert Einstein, havia fila para a UTI. No Sírio-Libanês também. Enquanto isso, Doria busca medidas pouco eficazes, como um toque de recolher em vez de um segundo lockdown intenso, como o executado no início pandemia.

Anvisa inspeciona fábrica da Covaxin

Técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) visitam a fábrica Bharat Biotech, na Índia, a pedido da própria companhia. A inspeção avalia padrões de produção da matéria-prima, processos, armazenamentos, procedimentos e controles da vacina Covaxin. O trabalho deve ser ser finalizado na sexta-feira (5). Se tudo estiver certo, farmacêutica deve ser certificada pela Anvisa.

Vacinagate peruano e os mimos de Pequim

O escândalo peruano da vacinação de membros do establishment político ganhou mais capítulo. Agora o Vacinagate atingiu a farmacêutica chinesa Sinopharm. De acordo com reportagem do El País desta segunda-feira (1), um lote de vacinas foi oferecido como presente ao Ministério da Saúde, enquanto as negociações de compra seguiam. O jornal Salud con Lupa, especializado em saúde pública para a América Latina, revelou que a estatal chinesa também “doou” ao país equipamentos médicos e insumos que totalizaram US$ 860 mil. O material desembarcou entre setembro, novembro e janeiro. Após o último lote, as negociações com a farmacêutica Pfizer acabaram. A seguir, o presidente peruano, Francisco Sagasti, anunciou a assinatura do acordo com a Sinopharm para a compra de 38 milhões de doses. Agora, o Vacinagate demonstrou que iniciativas vistas como colaborações na prática eram “subornos antecipados”, conforme definiu Samuel Rotta, diretor-executivo da ONG Proética, voltada ao combate à corrupção. O Peru soma cinco ministro da Saúde desde o início da pandemia. A penúltima, Pilar Mazzetti, renunciou em 13 de fevereiro, devido à denúncia de que o ex-presidente Martín Vizcarra furou o fila da vacina. O atual ministro, Oscar Ugarte, de 76 anos, foi infectado em junho.

Aplidin, o antiviral espanhol

O medicamento contra a covid-19 da farmacêutica galega PharmaMar, Aplidin, foi reconhecido por uma equipe de investigadores internacionais, liderada pelo virologista espanhol, Adolfo García-Sastre, do Hospital Monte Sinai, de Nova York. Publicado na revista Science, os primeiros resultados de um estudo sobre a plitidepsina demonstram que a droga, inicialmente concebida para tratar o câncer, é cem vezes mais eficaz que o remdesivir, atualmente o único antiviral aprovado para tratar a doença – cuja eficácia não é garantida. A farmacêutica estabelece parcerias para começar os ensaios de fase 3, com voluntários.

2021, um ano de cautela

Mike Ryan, da OMS, afirmou que, mesmo com vacinação em andamento, 2021 ainda exigirá rigor com as medidas de restrição

O diretor-executivo de emergências da OMS, Mike Ryan, afirmou ser muito prematuro pensar que a pandemia acabará este ano. Mesmo com alguma melhora da situação devido ao ritmo acelerado das vacinações em alguns países, é cedo para afirmar que o coronavírus está sob controle. “O que podemos conseguir em 2021 é evitar hospitalizações e reduzir a mortalidade no mundo”, explicou Ryan.

Twitter contra a desinformação

Em mais uma ação de combate as fake news, o Twitter fará uma nova atualização que desativará contas que desrespeitarem por 5 vezes as regras de desinformação sobre covid-19, informou a empresa nesta segunda-feira (1).

Painel Coronavírus

Dados atualizados em 01/03/21 – 20h00

Vacinados

  • 244,2 milhões no mundo * (3,25% da população)
  • 8,43 milhões no Brasil * (3,99% da população)
    * Considerando as duas doses, quando for o caso

Leitos de UTI

  • 80% de ocupação total em 18 estados brasileiros *
    * Não há uma contagem sistemática e centralizada dos leitos de UTI disponíveis nas redes pública e privada do país. O levantamento de MR é baseado nas informações veiculadas na imprensa

Casos confirmados
• 10.587.001 – acumulado
• 35.742 – casos novos
• 9.457.100 – casos recuperados
• 874.181 – em acompanhamento
• 5037,9 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Óbitos confirmados
• 255.720 – óbitos acumulados
• 778 – óbitos novos
• 2,4% – Letalidade
• 121,7 – mortalidade por grupo de 100 mil habitantes

Fontes: Ministério da Saúde, consórcio de veículos de imprensa e Universidade Johns Hopkins (EUA) / Fiocruz

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =

Pergunte para a

Mônica.