Document
PATROCINADORES

Nº 324: pandemia e o declínio social; ButanVac contra variantes

Retrocessos da calamidade global

O governo brasileiro explicou que a covid-19 ameaça anos de progresso contra a pobreza e isso pode afetar a coesão social do planeta. “O sistema multilateral falhou em suas primeiras respostas e ainda tem um desempenho insuficiente para fornecer soluções decisivas, mostrando a necessidade de reformas e melhorias”, disse o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Erivaldo Gomes (imagem). Dessa forma, ele defendeu que o G20 deve continuar a cooperar para melhorar a prevenção e a preparação contra novas pandemias, e destacou a importância do setor privado e da comunidade científica como parte de uma solução paulatina.

“Vários riscos globais, incluindo os ambientais, continuam sendo uma preocupação, mas o risco representado pelas doenças infecciosas é agora classificado como a ameaça econômica global número um. Os custos humanos e econômicos imediatos da covid e de outras doenças infecciosas são severos. Elas ameaçam retrocesso de anos de progresso na redução da pobreza e da desigualdade e prejudicar ainda mais a coesão social em todo o mundo”.

Erivaldo Gomes, secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Economia

O que MONEY REPORT publicou hoje:

Cariocas avessos ao decreto

No primeiro dia de liberação do uso de máscaras em ambientes abertos, a maioria dos cariocas manteve o uso da proteção facial, apontou uma apuração da Agência Brasil. Resolução da Secretaria estadual de Saúde (SES), publicada no início da tarde de quinta, em edição extra do Diário Oficial, liberou o uso em ambientes externos, mas manteve a obrigatoriedade em lugares fechados e no transporte público.

____________________________________________

Informe Publicitário

_____________________________________________

Rio alcança menor índice

A cidade do Rio de Janeiro contabilizou no início desta sexta-feira (29) um total de 151 pacientes internados com a covid-19 em toda a rede hospitalar do município. Isso representa 2,4% da ocupação de leitos da cidade, o menor índice de toda a pandemia. Outubro também é o mês com o menor patamar de internações pela doença desde março de 2020, segundo o painel de acompanhamento da doença da Prefeitura do Rio.

Rio bate recordes positivos — Foto: Painel da Prefeitura do Rio

China endurece novamente

Os aeroportos de Pequim cancelaram centenas de voos nesta sexta-feira (29), devido ao endurecimento das normas de viagem na China para impedir novos focos de coronavírus antes do início dos Jogos Olímpicos de Inverno. O país mais populoso do mundo reduziu ao mínimo as infecções desde o início da pandemia, graças às medidas de tolerância zero adotadas pelo governo, como o fechamento de fronteiras, confinamentos seletivos e longos períodos de quarentena.

Moscou fechada

Moscou decretou um lockdown de 11 dias desde ontem, quinta-feira (28), para conter o aumento de infecções no país. Ainda na quinta, o país registrou recorde de mortes, 1.159 óbitos e 40 mil novos casos em 24 horas. Apesar da disponibilidade da Sputnik V, a sociedade russa tem demonstrado hesitação vacinal. Apenas 32% da população está totalmente imunizada (duas doses).

Eficácia da nova vacina

 

Painel Coronavírus

Vacinados *
• 3,89 bilhões no mundo (48,9% da população)
• 6,97 bilhões no mundo (89,54% da população — cumulativo)
• 154,79 milhões no Brasil (72,67% da população)
* dados globais aproximados

Segunda dose **
• 2,93 bilhões no mundo (37,8% da população)
• 119,58 milhões de brasileiros (56,14% da população)
** dado global aproximado

Casos confirmados no Brasil
• 21.793.401 – acumulado
• 11.965 – novos infectados
• 20.986.901 – recuperados 
• 199.038 – em acompanhamento 
• 10.370,5 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Mortes confirmadas no Brasil
• 607.462 – óbitos acumulados
• 394 – novas vítimas fatais
• 2,8% – letalidade
• 289,1 – mortalidade por grupo de 100 mil habitantes

Dados vacinais atualizados em 29/10/2021, às 19h

Fontes: Ministério da Saúde, consórcio de veículos de imprensa, Universidade Johns Hopkins (EUA) e Fiocruz

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.