Document
PATROCINADORES

Nº 298: o adorável Mason; queda na expectativa de vida; 4 milhões de sumidos

Um pequeno grande cidadão

Essa criança aí da imagem acima é o pequeno Mason Peoples, que vive com sua mãe na Virgínia (EUA). Atento a tudo o que sua mãe diz, no dia de fazer a foto do livro anual de sua escola, ele se recusou a tirar a máscara. “Só tirar na hora de comer, quando não tiver ninguém por perto”, disse ao fotógrafo. E assim foi. Sua mãe publicou a imagem nas redes sociais. “Estou tão orgulhosa por ele ter cumprido sua palavra, mas eu deveria ter sido mais clara sobre as regras desse dia [da foto]”, disse. Só que sua postura acabou viralizando em um momento em que uma parte significativa da população americana ainda se recusa a cumprir os protocolos sanitários. Resultado: Mason ganhou seu momento de fama. E, de lambuja, após pedidos, sua mãe abriu uma conta em seu nome. Até este domingo (3), cerca de 1,6 mil pessoas haviam doado mais de US$ 33 mil (R$ 180 mil) para bancar sua faculdade no futuro, em uma vaquinha virtual.

4 milhões de atrasados em SP

Para evitar que a fila de atrasados para a segunda dose contra a covid-19 aumente ainda mais, o estado de São Paulo promoveu neste sábado (2) o mutirão Dia V. Não deu muito certo. Dos 4,3 milhões que precisavam aparecer, apenas 343 mil deram as caras – e braços. O governo acredita que a maioria dos 3,9 milhões que ainda não apareceram tenham se atrapalhado com os prazos, já que 2 milhões receberam a Pfizer, que teve o período para a segunda dose encurtado de três para dois meses. Mesmo assim, há outro 1,9 milhão de atrasados, sendo a maioria pessoas acima dos 50 anos. Dos quase 600 mil casos fatais na pandemia no Brasil, 150 mil (25%) ocorreram no estado, que é o que possui a maior quantidade geral de vacinados, com 34,54 milhões atendidos com a primeira dose e 29,31 milhões com o ciclo completo (63,83%), entre uma população de quase 47 milhões.

Expectativa de vida reduzida

É como se a Europa e os Estados Unidos estivessem em uma nova guerra mundial. Um estudo do Centro de Ciências Demográficas Leverhulme, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, mostra que em 29 países desenvolvidos houve uma queda na expectativa de vida, na comparação entre 2020 e 2019. Mulheres em 15 países e homens em 10 países hoje vivem menos do que em 2015. O que puxou a alta mortalidade foram as vítimas com mais de 60 anos, os principais afetados pelo novo coronavírus. O país mais atingido são os Estados Unidos, onde a expectativa de vida dos homens despencou de 76,74 anos em 2019 para 74,51 anos em 2020. No Reino Unido, a expectativa de vida dos homens caiu pela primeira vez em 40 anos. Os únicos grupos ilesos foram as mulheres na Finlândia e homens e mulheres na Dinamarca e na Noruega. Os pesquisadores acreditam que há dezenas de milhares de casos subnotificados na pandemia, influenciando negativamente nos resultados gerais, mas sem apontar diretamente a causa. Foram pesquisados Espanha, Suíça, França, Itália, Finlândia, Suécia, Portugal, Noruega, Islândia, Áustria, Eslovênia, Bélgica, Chile, Grécia, Alemanha, Holanda, Inglaterra e País de Gales, Dinamarca, Estônia, Irlanda do Norte, República Tcheca, Croácia, Polônia, Estados Unidos, Lituânia, Escócia, Eslováquia, Hungria e Bulgária.

O que MONEY REPORT publicou hoje:

______________________________________________

Informe Publicitário

_________________________________________________

Sinopharm dos 11 aos 3 anos na Argentina

O governo da Argentina aprovou o uso da vacina da Sinopharm, de origem chinesa, para crianças de 3 a 11 anos, se tornando o primeiro país sul-americano a atender esta faixa etária. O imunizante é administrado em duas doses, com 28 dias de intervalo. Cerca de até 6 milhões de crianças devem ser inoculadas ainda este ano. A aprovação foi dada após a análise de ensaios clínicos na China e nos Emirados Árabes Unidos (EAU). O Chile vai pelo mesmo caminho, testando a CoronoVac acima dos 6 anos.

Tudo bem com a vovó

Painel Coronavírus

Vacinados

• 3,78 bilhões no mundo (48,59% da população)
• 6,31 bilhões no mundo (84,13% da população — cumulativo)
• 147,58 milhões no Brasil (69,17% da população)

Segunda dose *

• 2,53 bilhões no mundo (33,9% da população)
• 93,66 milhões de brasileiros (43,9% da população)
* dados aproximados

Casos confirmados no Brasil
• 21.459.117 – acumulado
• 13.466 – novos infectados
• 20.436.127 – recuperados
• 425.267 – em acompanhamento
• 10.211 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Mortes confirmadas no Brasil
• 597.723 – óbitos acumulados
• 468 – novas vítimas fatais
• 2,8% – letalidade
• 284 – mortalidade por grupo de 100 mil habitantes

Dados vacinais atualizados em 03/10/2021, às 18h

Fontes: Ministério da Saúde, consórcio de veículos de imprensa, Universidade John Hopkins (EUA) e Fiocruz

Painel Coronavírus

Vacinados

• 3,61 bilhões no mundo (46,41% da população)
• 6,30 bilhões no mundo (84% da população — cumulativo)
• 147,24 milhões no Brasil (69,12% da população)

Segunda dose *

• 2,53 bilhões no mundo (33,8% da população)
• 92,80 milhões de brasileiros (43,57% da população)
* dados aproximados

Casos confirmados no Brasil
• 21.468.121 – acumulado
• 9.004 – novos infectados
• 20.442.653 – recuperados
• 427.520 – em acompanhamento
• 10.215,8 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Mortes confirmadas no Brasil
• 597.948 – óbitos acumulados
• 225 – novas vítimas fatais
• 2,8% – letalidade
• 284,5 – mortalidade por grupo de 100 mil habitantes

Dados vacinais atualizados em 03/10/2021, às 18h

Fontes: Ministério da Saúde, consórcio de veículos de imprensa, Universidade John Hopkins (EUA) e Fiocruz

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.