Document
PATROCINADORES

Nº 281: adolescentes pendentes; CEO faltou; Rio a mais 80% na primeira dose

Saúde manda parar vacinação de adolescentes – mas SP continua

O Ministério da Saúde determinou, em nota técnica publicada nesta quarta-feira (15), que a imunização de adolescentes de 12 a 17 anos contra a covid-19 só deva ser feita naqueles que apresentarem alguma deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade. A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM) e os conselhos nacionais de Secretários de Saúde (Conass) e de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) defendem a continuidade da campanha, já que alguns estados já estão com a vacinação desse grupo em andamento há algumas semanas. O governo de São Paulo lamentou a decisão do ministério e informou em rede social que manterá a vacinação dos adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades.

Profissionais de saúde suspensos na França

A vacinação contra a covid-19 passou ser obrigatória na França nessa quarta-feira (15). Por causa disso, foram suspensos de suas funções todos os profissionais de saúde que não estão vacinados e se recusaram a tomar imunizantes. A medida, que abrange 2,7 milhões de trabalhadores, conta com forte oposição de uma minoria. A atitude do governo foi adotada dois meses após o ultimato do presidente francês, Emmanuel Macron.

O que MONEY REPORT publicou hoje:

CEO não comparece à CPI

O diretor-executivo da operadora de Saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, não compareceu à CPI da Pandemia para seu depoimento marcado para nesta quinta-feira (16). O posicionamento foi comunicado pelos seus advogados. De acordo com a defesa, não houve notificação dentro do prazo de 48 horas e, por esse motivo, Batista Júnior não conseguiria viajar a tempo a Brasília. A convocação foi aprovada em 3 de agosto. Sua presença é esperada na próxima semana. De acordo com autor do requerimento, senador Humberto Costa (PT-PE), uma das alternativas é recorrer à Justiça para uma condução coercitiva, caso não haja justificativa pçara uma próxima ausência.

___________________________________________________________

Informe Publicitário

__________________________________________________________

83% de fluminenses com a primeira agulhada

Entre 15 de agosto e 14 de setembro, foram aplicadas no estado do Rio de Janeiro 3.012.597 doses de vacina, chegando ao total de 17.139.270 de doses. Assim, o estado alcançou 82,8% da população com 18 anos ou mais imunizados com a primeira dose e 44,6% já completaram o esquema vacinal, com duas doses ou dose única. Os dados são baseados nas informações do painel de vacinação da covid-19 do Ministério da Saúde. Na capital, a campanha segue nesta quinta-feira (16) com a vacinação de adolescentes de 14 anos, além da repescagem da primeira dose para pessoas a partir de 22 anos, gestantes, puérperas, lactantes e pessoas com deficiência a partir dos 12 anos. A dose de reforço nos idosos é para quem tem 92 anos ou mais.

Afastamentos por doença dobraram

A quantidade de afastamentos do trabalho devido à covid mais que dobrou neste ano. De janeiro a agosto de 2021, foram 81.149 benefícios por incapacidade, o antigo auxílio-doença, ante 37.045 de abril a dezembro de 2020, um aumento de 119%, informou o Ministério do Trabalho e Previdência. “Esses dados representam somente aqueles afastamentos por mais de 15 dias e que, consequentemente, geraram um benefício de segurados do Regime Geral de Previdência Social do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social)”, afirmou o ministério em nota.

Unicef, OCDE e a reabertura de escolas

.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) pediu que as autoridades de educação reabram as escolas o mais cedo possível em países nos quais milhões de alunos ainda não voltaram às salas 18 meses após o início da pandemia.

Em 17 países, as escolas permanecem totalmente fechadas e, em 39, estão parcialmente fechadas, informa um relatório da Unicef nesta quinta-feira (16). Entre as “quase completamente fechadas”, estão escolas frequentadas por cerca de 77 milhões de estudantes das Filipinas, Bangladesh, Venezuela, Arábia Saudita, Panamá e Kuwait.

O Brasil foi o país que mais tempo manteve fechados os colégios para as crianças mais novas durante a pandemia em 2020. É o que mostra um relatório da Organização para Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE) também divulgado nesta quinta-feira (16). Foram 178 dias sem aulas presenciais na pré-escola e nos anos iniciais do ensino fundamental no ano passado, o triplo de tempo na comparação com a média dos países mais desenvolvidos.

Vírus ameaça britânicos

Cientistas ligados ao governo do Reino Unido alertam que pode haver um salto nas internações por covid na Inglaterra se as restrições não forem reforçadas. Baseados em modelos matemáticos, o comitê Sage informou que as internações pela doença podem variar entre 2 mil e 7 mil por dia no mês que vem — atualmente, são pouco mais de 750. Porém, acrescentaram que um “conjunto relativamente leve de medidas” pode conter essa escalada.

Após uma queda significativa, devido à vacinação em massa, as mortes por covid voltaram a subir no Reino Unido, embora permaneçam em um patamar relativamente baixo em comparação ao auge da pandemia. Mesmo assim, o número de óbitos diários confirmados por milhão de habitantes (2,07) já é quase igual ao do Brasil (2,17).

Reforço da CoronaVac

Painel Coronavírus

Vacinados
• 3,39 bilhões no mundo (43,05% da população)
• 5,79 bilhões no mundo (77,2% da população – cumulativo)
• 139,87 milhões no Brasil (65,57% da população)

Segunda dose *
• 2,37 bilhões no mundo (30,5% da população)
• 76,73 milhões de brasileiros (35,97% da população)
* dados aproximados

Casos confirmados no Brasil
• 21.069.017 – acumulado
• 34.407– novos infectados
• 20.108.417 – recuperados
• 306.713 – em acompanhamento
• 10.025 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Mortes confirmadas no Brasil
• 589.240 – óbitos acumulados
• 640 – novas vítimas fatais
• 2,8% – letalidade
• 280,4 – mortalidade por grupo de 100 mil habitantes

Dados atualizados em 16/09/2021, às 18h

Fontes: Ministério da Saúde, consórcio de veículos de imprensa, Universidade Johns Hopkins (EUA) e Fiocruz

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.