Document
PATROCINADORES

Nº 275: segunda dose em falta; Rio melhorando; TCU suspende VTCLog

SP: AstraZeneca em falta

A falta de segunda dose do imunizante Covishieldd, da AstraZeneca, afeta 93,6% dos 535 postos de vacinação da cidade de São Paulo. O índice é baseado nos dados do Filômetro. Dos postos em funcionamento, 496 registravam falta do imunizante até as 15h30 desta quinta-feira (9). Segundo o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, o desabastecimento ocorre após o Ministério da Saúde ter descumprido o cronograma de entrega de lotes da segunda dose. A Secretaria Estadual da Saúde afirmou, no início desta tarde, que a Saúde deixou de enviar cerca de 1 milhão de doses que seriam destinadas à segunda aplicação. Em nota, a pasta afirma que o prazo para aplicação começou a vencer em 4 de setembro.

Internações caem no Rio

Apesar da variante delta corresponder a 95,8% dos casos na cidade do Rio de Janeiro, há registro de queda nos indicadores da pandemia, aponta a prefeitura. As internações caíram 26% entre a última semana (semana epidemiológica 35) e duas semanas atrás (semana epidemiológica 33). Com base nisso, o município resolveu descer o nível de alerta de alto para moderado em algumas regiões. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (10).

TCU suspende contrato da VTCLog, investigada pela CPI

O ministro o Tribunal de Contas da União (TCU), Benjamin Zymler, determinou que o Ministério da Saúde suspenda um aditivo de contrato com a VTCLog – empresa que presta serviço à pasta -, apontando a possibilidade de tentativa de fraude aos cofres públicos. O acréscimo suspenso mudou a metodologia usada para medir um dos serviços prestados no galpão da empresa, em Guarulhos (SP). A medida cautelar atende uma representação dos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Eliziane Gama (Cidadania-MA) e seguirá para análise do plenário da corte de contas. A empresa é alvo de investigações pela CPI da Pandemia.

____________________________________________________________________________

Informe Publicitário

_________________________________________________________________________

Anvisa barra cruzeiros

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou que não autoriza a temporada de cruzeiros marítimos 2021/22 pela costa brasileira. No Porto de Santos, o principal ponto de embarque, a previsão de início da temporada era 5 de novembro. A autorização era aguardada com grande expectativa há meses pelas operadoras. De acordo com a Anvisa, muitas contaminações foram registrados em cruzeiros e a temporada de 2020 precisou ser interrompida. Grande parte dos navios permaneceram em seus portos de origem. Tripulantes foram repatriados aos seus países. Neste ano, a situação segue preocupante.

O posicionamento da Anvisa:

“As evidências de caráter sanitário e epidemiológico nos planos nacional e internacional, que sustentam as manifestações técnicas da Anvisa a fim de proteger a saúde da população, não autorizam, neste momento, a reavaliação do posicionamento da Agência sobre a suspensão da temporada de cruzeiros marítimos no Brasil”.

Nota oficial da Anvisa enviada à GloboNews

O que MONEY REPORT publicou hoje

Volta infectante às aulas

As escolas estaduais de São Paulo registraram 1.748 possíveis casos de covid-19 entre 2 a 31 de agosto. Desse total, 1.040 são de supostos contágios de alunos. A gestão João Doria (PSDB) deixou de contar os casos confirmados na rede estadual e os considera como “prováveis”. O estado aponta também que 651 funcionários e 57 trabalhadores terceirizados são prováveis contaminados, segundo o Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para a Covid-19 (Simed), criado pela Secretaria de Educação.

Medidas agressivas nos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, exigirá que todos os funcionários federais sejam vacinados. O Departamento de Trabalho também divulgará a regra que poderá fazer empresas com mais de 100 funcionários exigirem que todos se vacinem ou realizem testem semanais. Com as novas medidas, Biden cobrirá cerca de 2/3 dos trabalhadores do país e poderá acelerar a meta de vacinação, agora estagnada. A Casa Branca queria imunizar 70% da população até o feriado e 4 de julho com ao menos uma dose, porém, até quinta-feira (9) 63,5% dos americanos havia recebido uma dose e, 54,1%, duas.

Novas estratégias de vacinação

Hans Kluge, diretor da OMS na Europa

O diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS) na Europa, Hans Kluge, se mostrou pessimista sobre a circulação das variantes e a possibilidade da vacinação, por si só, conter a pandemia. A probabilidade de a doença se tornar endêmica é crescente e preocupa. Ele pediu, nesta sexta-feira (10), que as estratégias de vacinação sejam adaptadas, principalmente nas doses de reforço.

Reforço, só para vulneráveis, diz criadora da Covishield

A cientista Sarah Gilbert, que liderou a criação do imunizante Covishield, da AstraZeneca/Oxford, acredita que vacinar todas as pessoas com doses de reforço é desnecessário. Ela fez um apelo para que as doses sejam enviadas aos países pobres. Gilbert disse ao jornal britânico Daily Telegraph, que alguns grupos vulneráveis precisam do reforço, mas que na maioria dos casos a imunidade é duradoura.

Confie na CoronaVac

Recife antecipa a segunda dose

Painel Coronavírus

Vacinados (cumulativos)
• 5,6 bilhões no mundo (74,66% da população)
• 135,52 milhões no Brasil (63,53% da população)

Segunda dose *
• 2,11 bilhões no mundo (27,3% da população)
• 68,4 milhões de brasileiros (32,06% da população)
* dados aproximados

Casos confirmados no Brasil
• 20.958.899 – acumulado
• 30.891 – novos infectados
• 19.913.578 – recuperados
• 371.1– em acompanhamento
• 9.973 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Mortes confirmadas no Brasil
• 585.174 – óbitos acumulados
• 753 – novas vítimas fatais
• 2,8% – letalidade
• 278 – mortalidade por grupo de 100 mil habitantes

Dados atualizados de imunizados atualizados em 10/09/2021

Fontes: Ministério da Saúde, consórcio de veículos de imprensa, Universidade Johns Hopkins (EUA) e Fiocruz

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.