Document
PATROCINADORES

Nº 268: arsenal americano; reforço com Pfizer

Biden, mas é pouco

Os Estados Unidos continuam pressionados para fazer mais em relação à pandemia, principalmente ajudando os países mais pobres. A Casa Branca afirmou na quinta-feira (2) que investirá US$ 2,7 bilhões para aumentar a produção de componentes essenciais de vacinas (os IFAs) como parte do esforço do presidente Joe Biden (imagem) para tornar os EUA o arsenal global de vacinas. O dinheiro irá para empresas que produzem insumos e mantêm negócios nos EUA. A verba sairá do Plano de Resgate Americano, um fundo estatal que neste ano soma US$ 16 bilhões e está vinculado ao pacote de estímulo econômico de US$ 1,9 trilhão sancionado por Biden em março. Os detalhes ainda são escassos. De acordo com o jornal The New York Times, o governo Biden doou ou prometeu cerca de 600 milhões de doses para outros países. Seria um paliativo. É uma pequena fração dos 11 bilhões de agulhadas em três rodadas que os especialistas dizem ser necessárias para desacelerar a pandemia. Biden recebeu duras críticas de autoridades de saúde. Elas garantem que o país está longe de ser um arsenal da imunização.

O que MONEY REPORT publicou hoje

Um horizonte melhor

De acordo com o balanço divulgado pelo Ministério da Saúde nesta sexta-feira (3), 40% da população com mais de 18 anos já completou o ciclo vacinal (64,5 milhões, perfazendo 30% dos brasileiros). A primeira dose chegou a 132 milhões de braços, o que representa 83,4% do público-alvo de 160 milhões. Na avaliação de Queiroga, o avanço da vacinação traz resultados positivos, como a queda na taxa de ocupação das UTIs, que já estão abaixo de 50% e dentro dos padrões de normalidade em 19 estados do país. As médias móveis de casos e óbitos também estão em declínio e registraram, nos últimos dois meses, redução de 61% e 60%, respectivamente.

________________________________________________________________________

Informe Publicitário

___________________________________________________________________

Pertinente, mas negado

Ministra Cármen Lúcia, do STF

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, negou os pedidos da CPI da Pandemia para autorizar a condução coercitiva do lobista Marconny Nunes Ribeiro Albernaz de Faria e outras medidas, como a retenção do passaporte e a proibição de deixar a cidade onde mora sem autorização. Faria faltou ao depoimento que prestaria à CPI na quinta-feira (2), mas a ministra avaliou que os pedidos da comissão eram impertinentes. Apesar da negativa, a magistrada adotou outras medidas para que o depoimento ocorra, como o uso da Polícia Legislativa para localizar o lobista.

Pfizer na terceira

A cidade de São Paulo usará somente vacina da Pfizer para a terceira dose em idosos com 90 anos ou mais a partir de 15 de setembro. A imunização começa nesta segunda-feira (6).

Patrimônios da ciência

Painel Coronavírus

Vacinados (cumulativos)
• 5,42 bilhões no mundo (72,2% da população)
• 132,7 milhões no Brasil (62,34% da população)

Segunda dose *
• 2,11 bilhões no mundo (27,3% da população)
• 64,5 milhões de brasileiros (30,28% da população)
* dados aproximados

Casos confirmados no Brasil
• 20.856.060 – acumulado
• 25.565 – novos infectados
• 19.820.202 – recuperados
• 453.188 – em acompanhamento
• 9.924,5 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Mortes confirmadas no Brasil
• 582.670 – óbitos acumulados
• 756 – novas vítimas fatais
• 2,8% – letalidade
• 277,3 – mortalidade por grupo de 100 mil habitantes

Dados atualizados em 03/09/21 – 19h

Fontes: Ministério da Saúde, consórcio de veículos de imprensa, Universidade Johns Hopkins (EUA) e Fiocruz

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.