Document
PATROCINADORES

Nº 232: terceira dose israelense; Brasil entrando nos eixos; o plano carioca para o Fla-Flu

A nova dose na Terra Prometida

Israel começará a aplicar a terceira dose da Pfizer em idosos acima 60 anos. Será o primeiro país do mundo a tomar essa atitude na tentativa de desacelerar a disseminação da cepa delta. O primeiro-ministro, Naftali Bennett, ao lançar a campanha, afirmou que o presidente de Israel, Isaac Herzog, será o primeiro a receber a dose de reforço, na sexta-feira (30). Israel foi líder na vacinação mundial. Idosos receberam suas doses em dezembro, janeiro e fevereiro. A campanha transformará o país em um campo de teste.

O que mais MONEY REPORT publicou

Guillain-Barré e agulhadas

Alguns casos raros de síndrome de Guillain-Barré (SGB) após a vacinação têm sido relatados em diversos países, inclusive no Brasil, alertou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em um comunicado divulgado na quarta-feira (28), a reguladora destacou que, até o momento, recebeu 27 notificações de casos suspeitos após a imunização com a AstraZeneca, além 4 com a CoronaVac e 3 com a Janssen, somando 34 registros.

No caminho de sair dessa

O Ministério da Saúde deve receber, em setembro, 69,4 milhões de doses de vacinas. Com essa projeção, a expectativa é que mais de 132,7 milhões de dose sejam entregues pelos laboratórios contratados nos próximos 2 meses. Para agosto, a previsão é de 63,3 milhões. De acordo com a pasta, até o momento 98,3 milhões de brasileiros receberam a primeira dose da vacina, 61,4% da população vacinável, estimada em 160 milhões. Foram distribuídas 176,2 milhões de vacinas, dessas, mais de 137 milhões foram aplicadas, sendo 98 milhões de primeira dose e 39 milhões da segunda dose ou dose única. O governo pretende cumprir a meta de imunizar toda população vacinável acima de 18 anos com a primeira dose até setembro.

Casa Branca exige vacinação de servidores

Com o avanço da variante delta e com o ritmo de vacinação em queda, os Estados Unidos passarão a exigir que os servidores públicos federais estejam imunizados. A doença já matou 610 mil americanos. Quem não estiver vacinado deverá usar máscara, manter distanciamento e fazer testes regularmente. A Casa Branca anunciou a decisão nesta quinta-feira (29). Vale destacar que o governo federal é o maior empregador do país. A agência de recursos humanos dos EUA estima ter 1,9 milhão de funcionários públicos federais em sua folha. Porém, se incluídos os correios e terceiros, pode chegar a quase 3,7 milhões.

__________________________________________________________________________________________________________

Informe Publicitário

____________________________________________________________________________________________________________________

Planejamento para o jogo no Maraca

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), anunciou nesta quinta-feira (29) um planejamento para retomada das atividades na cidade. O plano prevê suspensão gradual de medidas restritivas até 15 de novembro, data em que poderá acabar a obrigatoriedade do uso de máscaras. Paes admitiu a possibilidade de recuos, caso as contaminações voltem a subir. Confira as datas do planejamento:

Paes: “O plano é conservador e otimista”
  • 2 de setembro: 54% da população adulta completamente vacinada. A partir daí, o Rio prevê a liberação de eventos abertos com até 50% de público nos estádios, com os torcedores vacinados. Será exigido o uso de máscaras e álcool em gel;
  • 17 de outubro: com 65% das pessoas com seus cilcos vacinais completos, devem ser liberadas casas noturnas e de shows no mesmo esquema dos estádios (capacidade de 50% e todos vacinados). Os estádios poderão funcionar com capacidade máxima e todos vacinados;
  • 15 de novembro: com 90%, fim da obrigatoriedade do uso de máscaras na capital, exceto no transporte público e hospitais. Paes planeja que não seja mais necessário também controlar a capacidade dos estabelecimentos e o distanciamento social.

Queiroga não quer a Sputnik V, por enquanto

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quinta-feira (29) que o acordo inicial para compra de 10 milhões de doses da russa Sputnik V deve ser cancelado. Ele alega que a vacina ainda não recebeu o registro emergencial da Anvisa. Além disso, o Brasil não teria mais a necessidade do imunizante, assim como a Covaxin. As encomendas já seriam suficientes. De acordo com Queiroga, isso pode ser alterado caso a vacina russa obtenha autorização emergencial ou definitiva no futuro. A decisão do ministério não afeta o acordo com os governos estaduais, que obtiveram autorização para importação emergencial e pretendem comprar 66 milhões de doses da russa.

Queda nas contaminações prisionais

A população carcerária de SP é estimada em cerca de 216 mil

As contaminações nos presídios de São Paulo caíram em julho, passando de 2.807 em agosto de 2020 para 24 neste mês – que ainda não se encerrou. A informação é da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) divulgada nesta quinta-feira (29). Os registros de covid-19 entre funcionários do sistema prisional também caíram, passando de 615 em abril de 2021, na segunda onda, para 60 em julho. Para a SAP, a queda de casos nos presídios paulistas aconteceu devido ao avanço da vacinação. Foram inoculados em abril e maio cerca de 30 mil profissionais e 69.116 das pessoas privadas de liberdade.

Painel Coronavírus

Vacinados

• 4,01 bilhões no mundo (53,45% da população)
• 94,56 milhões no Brasil (44,39% da população)
* primeira dose

Segunda dose *
• 1,07 bilhão mundo (14,2% da população)
• 37,59 milhões de brasileiros (17,65% da população)
*dados aproximados incluindo dose única

Casos confirmados no Brasil

• 19.839.369 – acumulado
• 18.569.991 – recuperados
• 714.881 – em acompanhamento
• 42.283 – novos infectados
• 9.440,7 – incidência por grupo de 100 mil habitantes

Mortes confirmadas no Brasil

• 554.497 – óbitos acumulados
• 1.318 – novas vítimas fatais
• 2,8% – letalidade
• 263,9 – mortalidade por grupo de 100 mil habitantes

Dados atualizados em 29/07/21 – 19h30

Fontes: Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Secretários de Saúde e Universidade Johns Hopkins (EUA)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pergunte para a

Mônica.