PATROCINADORES

Longe de ser endemia; caem casos e mortes; vacinação em crianças esquecida

OMS: pandemia não atingiu situação de endemia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) contestou a avaliação de que a pandemia de covid-19 deva ser rebaixada para a condição de endemia. O diretor-executivo da entidade, Mike Ryan (imagem), disse que “de maneira nenhuma” essa classificação pode ser feita agora. “Seria apenas alterar o rótulo. Nós precisamos de um controle sustentado do vírus”, enfatizou. Ryan também se posicionou contra a avaliação de que uma endemia poderia causar poucos problemas, lembrando que há doenças endêmicas que provocam muitas mortes todos os anos pelo mundo. Ele disse que os países com maior cobertura vacinal têm superado as ondas do vírus relativamente bem, mas notou que naqueles com baixa cobertura o quadro é ainda muito grave.

Casos e mortes continuam a cair

O número de novos casos confirmados e de mortes causadas pela covid continua a cair no mundo, segundo dados publicados na quarta-feira (13) no relatório epidemiológico semanal da OMS. É a terceira semana consecutiva em que os dois indicadores apresentam queda. Últimas taxas estão em 24% e 18%, respetivamente. O total global da semana passada foi de 7 milhões de novos casos de covid-19 e 22 mil mortes, com declínios observados em todas as regiões. Com isso, o número total de infectados identificados desde o início da pandemia é 496 milhões, enquanto as mortes chegam a 6 milhões globalmente.

Uso de Paxlovid vai à consulta pública

O medicamento Paxlovid, fabricado pela farmacêutica americana Pfizer para tratamento de covid, avançou no processo de incorporação ao Sistema Único de Saúde (SUS). O fármaco recebeu parecer inicial favorável da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec). A decisão foi tomada durante reunião na terça-feira (12). Segundo o Ministério da Saúde, a proposta de incorporação do medicamento seguirá o fluxo normal de avaliação e será colocada em consulta pública pelo prazo emergencial de 10 dias. Consulta será aberta nos próximos dias, após publicação no Diário Oficial da União.

Cobertura de vacinas obrigatórias para crianças cai
Vacina infantil: doses da Pfizer chegam e debate sobre CoronaVac avança |  Exame

A taxa de cobertura de todas as vacinas obrigatórias para crianças, como aquelas contra sarampo e poliomielite, teve redução em 2021. Isso é o que mostra um Confederação Nacional de Municípios (CNM) obtido pelo Estadão. A queda na proteção, que começou a ser observada no Brasil por volta de 2017, pode agravar o risco de surtos das doenças. Grande parte dos índices não está acima de 70% – patamar distante das metas, na faixa de 90%. Os dados representam um retrocesso que coloca o Brasil em cenário similar ao da década de 1980. Especialistas apontam que as campanhas do poder público e, mais recentemente, a desinformação em relação às vacinas, são principais causas do problema.

Painel Coronavírus


Vacinados
• 11,45 bilhões de doses administradas (145,25% da população global — cumulativo, incluindo doses de reforço e estoques)
• 5,1 bilhões de pessoas atendidas (65% da população mundial)
• 100,87 milhões de pessoas nos países de baixa renda (15,2% entre os mais pobres)
• 414,01 milhões de doses distribuídas no Brasil (194,1% da população)

Primeira dose
• 500,98 milhões no mundo (6,36% da população com a primeira dose)
• 19,40 milhões no Brasil (9,09% da população)

Segunda dose
• 4,62 bilhões no mundo (58,62% da população)
• 162,49 milhões no Brasil (76,17% da população)

Doses de reforço
• 1,72 bilhão no mundo (22,13% da população)
• 72,80 milhões no Brasil (34,13% da população)

Casos no Brasil
• 
30.247.302 – acumulado
• 17.620 – média móvel dos últimos 7 dias encerrados em 15/04 (queda de 17,09%)
• 29.199.903 – recuperados
• 385.492 – em acompanhamento (queda de 16,04% entre 08/04 e 15/04)
• 14.393 – casos acumulados por grupos de 100 mil

Mortes no Brasil
• 661.907 – óbitos confirmados (acumulado)
• 112 – média móvel dos últimos 7 dias encerrados em 15/04 (queda de 30%)
• 2,2% – taxa de letalidade
• 315 – óbitos por grupos de 100 mil

– Dados atualizados em 15/04/2022

Fontes: Ministério da Saúde, secretaria estaduais e municipais de saúde, Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), consórcio de veículos de imprensa, Organização Mundial de Saúde (OMS) e Universidade Johns Hopkins

Compartilhe

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pergunte para a

Mônica.

©2017-2020 Money Report. Todos os direitos reservados. Money Report preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe.